Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2012

Ansiosa espera

O sino bateu
Mochila, arrumei
Dei tchau aos colegas
Desci e esperei.

Saiu o primeiro
Saiu o segundo
O décimo quinto
Já foi todo mundo!

Mil anos passaram
E eu a esperar
- Cadê minha mãe?
Pergunto, a chorar.

Foi só um minuto
Que tinha passado
É que meu relógio
Era adiantado.

Enfim, ela chega
E fico feliz
Com lágrimas puras
Molhando o nariz.

Assim, todo dia
Num medo choroso
Eu sempre a esperava
Bastante ansioso.

Verdade alternativa

Se meus fatos não constatam com o teu
É porque meu multiverso contemplou
A verdade, em contraste, se perdeu
E com idéias, mal formadas, completou

Tem fineza de julgar-me um pouco menos
Já que tens imagens minhas que não valho
Teus conceitos subjugam tais venenos
E, em teus domínios próprios, já não calho

Não destruas tua mesa em julgamentos
Pois um réu em juramento já não mente
Minha boca só reflete pensamentos
Acredito no que digo piamente

Analise então os fatos mais de perto
Transladando noutra tal perspectiva
É demasiado o jeito de estar certo
Esta é mais uma verdade alternativa

Jóia real

Admirado com tua beleza
Que brilha com tal leveza
Pela qual me apaixonei
No momento em que te vi
Eu me sinto como um rei
Que em toda sua nobreza
E com toda sua riqueza
Te almeja. Só a ti.

Jóia de grande pureza
Que inspira a realeza
E que dita sua lei
Fascinando-o para si
Minha vida, eu te dei
És agora minh'alteza
Sempre foste, em mim, fraqueza
Nunca vou te desistir.