Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

Transluzente beleza

Pedra preciosa
Ó quão tu és valiosa
Tão brilhante quanto o sol
Um olhar tão cristalino
Voz, suave violino
És macia quão lençol

Tesouro perdido
Faz-me assim ser tão bandido
Formosura encantadora
Vênus chora tua beleza
Rouba das pétalas, pureza
Sentir-se pois amadora

Suave e serena
Faz valer, a vida, à pena
Põe desejo em teu altar
Eu te quero só pra mim
Meu destino é assim
Vem. Me deixa te amar

A mais cara

Disfarço meus sentimentos
Meu rosto, meu jeito
Meu sorriso, meu olhar
Para não te perder

Me escondo em pensamentos
Meu posto... desfeito
Preciso... te amar
Mas vou me esconder

Nego então os momentos
Teu gosto, meu peito
Indeciso... sonhar
Quererei te viver

Lembranças de uma amizade IV

Onde você se esconde?
Preciso de seus conselhos
Tenho ver-te nos espelhos
Mas você não me responde

Mostra-te então para mim
Não sei mais o que fazer
Eu preciso te dizer
Que de ti preciso enfim

Meu reflexo é só você
Mas sozinho isto não basta
Minha mente assim tão vasta
Não consigo mais te ver

Barco solto em grande cais
Sou assim, mas eu não quero
Pensativo, te espero
Imagino-te uma vez mais

Enxurrada vazia

Olho o mundo lá fora
Olho fora do mundo
Meu mundo fica tão curto
Meus olhos tentam viver

Sinto o vazio em minh'alma
Sinto a esperança voar
Estou extinguindo meu ser
Estou dissolvendo meu eu

Tento estar respirando
Tento dançar nesta música
Fujo minha fuga apressada
Morro minha morte, vazio

Inundo meu ser solitário
Em minha janela distante
Fico a olhar o teu mundo
Fico no meu a sonhar.

Sem motivos

Minha face não contrai
Minha boca não estica
O meu brilho escureceu
Meu sorriso se apagou

O palhaço tá de férias
Tua pena desfiou
Nosso gás foi misturado
Com alguma anestesia

Durmo agora seriamente
Mas ainda sinto dor
Que me corta o coração
Eu não sinto meus sentidos

Finjo então estar feliz
Mostro os dentes amarelos
Olho contra a luz do sol
Esperando ter motivos